“Eram duas ventarolas, duas ventarolas que ventavam sobre o mar”...
Não lembro se acordei com essa música na cabeça, mas lembro bem que sonhei com Cíntia essa noite. Estávamos, eu e ela, oscilando ao movimento de grandes ondas, em um mar verde escuro. Conversávamos, felizes, como sempre fazemos quando nos encontramos.
Acordei e fui escrever para ela, quando encontro uma mensagem sua em meu celular. A notícia era o sinal verde para a publicação do livro – e eu a cargo da escrita desse texto.
Animado, pego o livro novamente e lembro que ele se dedica aos oceanos, como não poderia deixar de ser essa escrita de si, dos outros de si, de si para os outros, de uma filha de Kaiaia.
Esse livro miúdo (miúdo no sentido que Simas dá às suas pedrinhas, preciosas porque singulares e grandiosas em sua miudeza) é de fato um mergulho no mar, intenso talvez como só a Sereia Lóri de Clarice, em seu devir-oceano, conseguiu experimentar ao amanhecer.
É uma jornada de experimentações filosóficas (pois não deveria ser isso, a filosofia – uma grande experimentação?) que nada mais é que um convite às leitoras (devindo, desviando) mulheres filósofas que experienciem também esses mergulhos para que cada um(a), de sua maneira, também rume em suas travessias oceânicas.
Não como os tantos Ulisses, amarrados em seus mastros, presos aos falógos, mas que flutuem no dentro-fora do mar.
Aqui, contudo, também não como Lóri, solitária, ao alvorecer na praia. Talvez, então, como em meu sonho, quando eu e ela conversávamos no balanço do mar.
Pois, sim, é isso esse livro precioso: um convite também a uma conversa na flutuação. E quem melhor do que ela, Cíntia, desviando de qualquer essência mas devindo sereia, para nos guiar pelos sete mares dos devires filosofantes?
Se, como conta o ponto, “lá em alto mar, aonde eu vi uma moça nadar. Pra baixo do corpo era peixe, pra cima do corpo era gente. Nas águas do mar sereia é peixe”, o canto de Cíntia, soprado pelas vozes sirênicas de Carmen, Elis, Ella, Billie, Sarah, Nina, Elza, sem querer nos naufragar, nos convoca ao improviso filosófico e a um passeio em que vemos rochedos, ilhas habitadas por seres fantásticos, cosméticos, dildos, gatos e palhaços, nessa jornada que inaugura mundos possíveis, mais reais do que o pretenso real, sempre limitado pelo toque de uma só nota que quer definir tudo o que é.
E, ao final de sua apresentação, a Cíntia (en)canta e parece me explicar, sem saber, meu sonho: “este livro, na minha vida, é abertura de muitas portas. Que por elas passem todas e todos que assim o desejarem. Ou que a sonoridade por detrás dessas portas possa servir de convite à juventude entusiasmada para abrir seus próprios caminhos”.
Kaiaia chamou Knosi. Iemanjá ouviu e mandou Ogun me acordar.

Rafael Haddock Lobo

[eBook]Devires filosofantes

REF: 978-65-86657-44-0
R$8,00Preço
  • Editora: Ape'Ku Editora

    ISBN: 978-65-86657-44-0

    Ano de edição: 2020

    Distribuidora: Ape'Ku Editora

    Número de páginas: 82

    Formato do livro: .MOBI

    Número da edição: 1

  • Esse produto é um livro digital. Para sua leitura, é necessário possuir um leitor de livros digitais, um programa ou aplicativo que leia arquivos .MOBI.

    Recomendamos o uso dos aplicativos da Amazon tanto para computadores quanto para smartphones. Para download e informações sobre instação, acesse: https://cutt.ly/1goqIJH

Receba nosso boletim

Ape Ku Editora e Produtora Ltda

CNPJ 28.193.148/0001-09

Rua Jornalista Orlando Dantas, 4 PV 3

Botafogo - Rio de Janeiro - RJ

CEP 22231-010

contato@apeku.com.br

+55 21 981 441 244

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram