R$64,00

R$40,00

2x de R$20,00 sem juros
Ver meios de pagamento
Entregas para o CEP: Alterar CEP
Meios de envio
Descrição

A batalha discursiva é uma das frentes mais importantes para qualquer forma de governo. Atualmente, com as redes digitais e a proliferação de canais de informação, esta batalha se intensifica a ponto de ser a principal arma política para se influenciar a população. Em 1964, com o golpe civil-militar, a situação era um pouco diferente. Haviam poucos canais que conseguiam chegar a todos e, da grande mídia, somente um deles, o jornal Última Hora, denunciou o 1º de abril como um golpe e não uma revolução. Todos os outros apoiaram a ditadura que se instalava – muitos participaram de sua elaboração. Existiam críticas? Poucas. Mas, normalmente, sua função era legitimar o golpe como um “movimento democrático”, mesmo que a maior parte da população visse fatos contrários (e.g. perseguições, Atos Institucionais que acabavam com a Constituição que os golpistas juravam defender, etc.).

Por outro lado, existiam vozes contrárias e uma das mais fortes delas foi o humor. O brasileiro é, por natureza, um ser afeito ao humor, à piada. O riso possui, em sua gênese, um elemento desconstrutor de mitos e de pretensas hierarquias. O humor será, então, um elemento de resistência a este governo e a estes discursos “legitimadores”. Sua aceitação popular será alta, muitas de suas representações serão englobadas no cotidiano brasileiro, os livros que analisamos, por exemplo, foram campeões de vendas por anos a fio.

Analisaremos, neste livro, quais eram os discursos oficiais do governo e de como a grande mídia buscou legitimá-los. Mas veremos também como o humor irá lutar, numa luta desigual em que os “pequenos” conseguiram impor uma resistência altamente incômoda ao governo ditatorial e às elites que os apoiavam.

 

Editora: Ape'Ku Editora

ISBN: 978-65-80154-35-7

Ano de edição: 2020

Distribuidora: Ape'Ku Editora

Número de páginas: 216

Formato do livro: 16 x 23 cm

Número da edição: 1